I Colóquio Campinense sobre Suicídio reúne profissionais de diversas áreas no auditório da OAB-CG

Compartilhe

Uma riquíssima troca de experiências, conhecimentos e sensibilidade. Assim foi o I Colóquio Campinense sobre Suicídio,  realizado durante todo o dia desta sexta-feira, 28, no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção Campina Grande (OAB-CG), que apoiou o evento, organizado pelo Núcleo de Estudos em Psicanálise e Contemporaneidade (Nepec), com participação efetiva das Comissões de Diversidade Sexual e Gênero e de Direito à Saúde.

Um encontro multidisciplinar, que reuniu 14 profissionais de diversos segmentos: saúde, educação, história, sociologia, filosofia e direito. Especialistas que trouxeram importantes contribuições para a discussão de um tema tão difícil, mas que urge ser debatido à luz de todas estas áreas do conhecimento, uma vez que se registra no Brasil índices assombrosos de suicídio.

Foram 255, registrados somente em Campina Grande,  pelo Setor de Psicologia do Hospital de Trauma da cidade, entre setembro de 2017 e  agosto deste ano, conforme a psicóloga Márcia Candelária, que atua na unidade hospitalar.

Para a diretora do Nepec, Myrna Maracajá, o alarmante aumento na taxa de suicídios, principalmente entre a população jovem (15 a 29 anos), tem retirado o tema do campo do tabu, para a saúde pública.

“Os mais diversos setores da sociedade estão empenhados em debater o assunto, a fim de buscar melhores estratégias para compreender esse fenômeno, assim como para trabalhar em sua prevenção”, destacou.

Ela lembrou que, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), 90% dos casos poderiam ser evitados, se os sinais apresentados por quem está pensando em tirar a própria vida não fossem ignorados. “Diante dessas inquietações, no mês em que temos a campanha do Setembro Amarelo, destinado à prevenção do suicídio, Campina Grande terá o seu I Colóquio Campinense sobre Suicídio, que reunirá profissionais e pesquisadores das mais diversas áreas, como Filosofia, Sociologia, História, Direito, Medicina, Psicanálise, Psicologia e Enfermagem. Será uma rica troca de conhecimentos e experiências sobre o tema”, reforçou.

O presidente da Comissão da Diversidade Sexual e Gênero, Harry Charriery ressaltou o sucesso desta primeira edição.

“O I Colóquio Campinense sobre Suicídio foi um sucesso, primeiro porque foi a primeira oportunidade de fazermos um trabalho em parceria com o Nepec, coordenado pela professora Myrna e duas comissões da OAB-CG, o que foi muito proveitoso. Nós juristas precisamos entender o suicídio a partir dos vieses sociológico, antropológico,  psiquiátrico, médico, histórico e educacional. Então eu avalio com muita positividade e tenho certeza que  este projeto vai se reproduzir com ainda mais sucesso nos próximos anos”, afirmou.

Compartilhe